Sábado, 13 de Março de 2010

Querido,

 

Hoje acordámos tarde demais para o dia.

Tu descongelaste a lasanha que eu fiz na semana passada e puseste-a no forno, enquanto eu preguiçava mais um bocadinho. Descascaste as solitárias batatas que encontraste no armário - aposto que já tinham grelos - e fritaste-as douradinhas, como eu gosto, sem sal.

Água a acompanhar.

Ralhaste-me por roubar batatas da travessa. Fizeste aquela cara feia, que te faz ficar com um ar ainda mais bonito, e esperaste que, como sempre, te desobedecesse.

Não te defraudei.

Pus a mesa. Elogiámos o repasto.

Ouvimos, na tv, a Simone de Oliveira dizer que o medo se ultrapassa acreditando. E acreditámos.

No fim, trataste da loiça, enquanto eu decidia que todos os dias perfeitos deviam começar com um punhado de batatinhas cheias de óleo e uma lasanha insonsa da semana anterior, porque o teu sorriso faz mais do que um prato de arroz de tamboril.

tua.

publicado por AngKorVat às 18:29
link do post | comentar | favorito
the plan it wasn't much of a plan, i just started walking...
mariana angkorvat@sapo.pt